Subscribe:

Pesagens

01.01.2014: 90,0 kg

quinta-feira, agosto 05, 2010

Transtorno Borderline, o que é isso?


Bom dia meninas!

Sobre o meu último post de ontem, estava pesquisabdo sobre meu comportamento, porque acho que não sou 'normal' e percebo que a cada dia venho piorando. Fui renovar minha habilitação no mês passado e quase fui reprovada no psicotécnico para liberação de atividade remunerada. Questionei com o psicológoca o que tinha acontecido em um dos meus testes de persnonalidade que tive que repetir. Fomos conversar. Ela me disse que tenho problemas sérios de relacionamentos com as pessoas e até sugeriu que eu fizesse terapia. E TUDO ISSO ACONTECEU NA RENOVAÇÃO DA CNH!
Tá, eu meio que sabia disso, porque já tive depressão pré e pós parto (cada uma em cada gestação). Nesta época também foi sugerida terapia, mas apesar de marcar, nunca fui.
Então, voltando ao presente: semana passada fui demitida, e o motivo alegado foi problema de relacionamento com as pessoas. SIM! Chegou a hora de encarar de frente que algo não está bem na minha cabeça. Já cheguei a achar que era 'bipolar', mas não me enquadro nas características, tá, me enquadro em poucas...achei ontem um outro transtorno, 'limítrofe', também conhecido como 'BORDERLINE', ou seja, no limite, e é assim que me sinto com frequência. Li o artigo na Wikipedia com muita atenção e me vi em tudo aquilo, ou na maioria dos sintomas. Primeiramente, nunca termino o que começo, já estou na 3ª faculdade e tenho dúvidas se vou terminar. Sou explosiva por quase nada, e isso tem piorado. Só porque o segurança da Unicamp pediu para eu parar um pouco à frente para anotar a placa do meu carro porque já tinha entregue o cartão, NOSSA, tive um petit de fúria. Aí venho outro segurança, mais calmo, conversou comigo e eu me senti uma completa idiota. NÃO FAÇO ISSO PORQUE QUERO, QUANDO VEJO, JÁ ESTOU IRADA. Meu marido sofre muito com isso - outro sintoma dos Borderline é ser agressivo com os entes mais próximos - e eu sofro muito mais. Bom, para quem quer entender melhor, tem o texto na Wikipedia (postei o link ontem) e encontrei este, esrito por um psiquiatra: aqui.
Tenho um vizinho, que eu adoro, que é psiquiatra - portanto ele não pode me tratar - falei com ele no final de semana pelo msn, no sábado ele passou aqui e marcou vários médicos no meu livro da Unimed. Preciso agora criar coragem e ter paciência para agendar uma consulta, é difícil encontrar um bom psciterapeuta com a agenda aberta. Sei que provavelmente vou ter que tomar remédios. Sei que a terapia será essencial. 
As pessoas Borderline são muito mal julgadas. Não sou assim porque quero caramba, sendo ou não uma Borderline, mas o fato é que não consigo me controlar e depois me martirizo, me culpo, fico angustiada com as minhas atitudes.
Agora chega desse assunto...
Daqui há pouco vou lá no meu ex-trabalho fazer o acerto, eis um prato cheio para eu me irar...mas Deus é bom e vai me ajudar a manter a calma...
Mais tarde eu volto para contar como foi...bj


5 comentários:

Sandra disse...

você já deu um passo enorme em reconhecer que precisa de ajuda...torço para que encontre um bom profissional!!! vai te ajudar muuuuuito

bjok

Flá BH disse...

Mantenha a calma mesmo
e se é para o bem, faça o tratamento.... deve ajudar

Beijos

♫Luana♪ disse...

O primeiro passo é sempre reconhecer o problema, e esse você já deu, agora é ir em frente até o problema estar totalmente sob controle...

fique bem amiga, e se precisar, to aqui!

Hami Cristine disse...

Ah, moça. Estou aqui pra te dizer que o TPB é um diagnóstico difícil e que engana.
Porque há uma infinidade de transtornos, e não é só pra fins didáticos. É realmente porque se não houver um diagnóstico preciso, pode comprometer a evolução do paciente.
Eu faço tratamento há quase 5 anos. Psiquiátrico mesmo faz uns 4. Meu diagnóstico inicial foi trabnstorno bipolar, depois de um tempo me diagnosticaram com personalidade borderline, mas mantiveram o transtorno bipolar como diagnóstico principal. Acho que isso de diagnóstico principal e secundário sim é apenas burocracia. Porque hoje eu tenho o transtorno bipolar estável, mas o borderline ainda faz bastante parte da minha vida e faço terapia pra aprender a lidar com essa forma tão intensa se sentir as coisas.
Eu só queria dizer que é muito importante que você procure ajuda, sim, porque ninguém merece ter uma vida sem qualidade, mas que também é importante que haja um diagnóstico preciso.
Claro que eu nos considero - a nós, pessoas com transtornos psiquiátricos, qualquer transtorno - irmãos.
Somos uma grande família que tem que se ajudar e é por isso que resolvi responder a este post, flor.
Sucesso na sua caminhada, e juízo!

Grande abraço!

Priscila disse...

Tenho 24 anos.

Esse ano soube que tenho bordeline.

Não é fácil ter borderline, é um transtorno difícil.

Estou na quarta psicóloga e já passei por uns 4 psiquiatras.

Ter bordeline para mim, é sentir muitas vezes vazio, muita ansiedade...as vezes sentir depressão.

Querer muita atenção de quem ama se dar muito as pessoas. E sentir - se triste quando a dedicação não é correspondida do jeito que o bordeline quer, que é no meu caso em tempo integral.

Os remédios também são complicados pois têm efeitos colaterais.

Tenho muita fé em DEUS que tudo dará certo!

Postar um comentário

Oi amiga, que bom que vai comentar o que escrevi!!! Obrigada :)